Luz para a inteligência, Calor para a vontade

quinta-feira, 18 de junho de 2015

O homem que calculava (Malba Tahan) - 27

(Continuação da obra "O homem que calculava", de Malba Tahan)

CAPÍTULO  XXVII       
No qual um sábio historiador interroga Beremiz.
O geômetra não podia olhar para o céu.
A matemática na Grécia.
Elogio de Erastóstenes.

  
Solucionado o primeiro caso com todas as suas minúcias, o segundo sábio foi convidado a interrogar Beremiz. Esse ulemá era um historiador famoso: lecionara, durante vinte anos, em Córdoba, e, mais tarde, por questões políticas, transferira-se para o Cairo, onde passou a residir sob a proteção do califa. Era um homem baixo, cujo rosto bronzeado parecia emoldurado por uma barba elíptica. Tinha os olhos nevoados, mortiços. Eis como o sábio historiador se dirigiu ao calculista:

- Em nome de Allah, Clemente e Misericordioso! Enganam-se aqueles que apreciam o valor de um matemático pela maior ou menor habilidade com que efetua as operações e aplica as regras banais do cálculo! A meu ver, o verdadeiro geômetra é o que conhece, com absoluta segurança, o desenvolvimento e o progresso da matemática através dos séculos. Estudar a história da matemática é prestar homenagem aos engenhos maravilhosos que enalteceram e dignificaram as antigas civilizações, e que, pelo labor e pelo seu gênio, puderam desvendar alguns dos mistérios profundos da imensa natureza, conseguindo, pela ciência, elevar e melhorar a miserável condição humana. Cumpre-nos ainda, pelas páginas da história, honrar os gloriosos antepassados que trabalharam para a formação da matemática e apontar as obras que deixaram. Quero, pois, ó calculista, interrogar-vos sobre um fato interessante da história da matemática: “Qual foi o geômetra célebre que se suicidou de desgosto por não poder olhar para o céu?”

Beremiz susteve-se instantes e exclamou de golpe:

- Foi Erastóstenes, matemático oriundo da Cirenaica e educado, a princípio, em Alexandria e, mais tarde, na Escola de Atenas, onde aprendeu as doutrinas de Platão!

E, completando a resposta, prosseguiu:

- Erastóstenes foi escolhido para dirigir a grande biblioteca da Universidade de Alexandria, cargo que exerceu até o termo de seus dias. Além de possuir invejáveis conhecimentos científicos e literários que o distinguiram entre os maiores sábios de seu tempo, era Erastóstenes poeta, orador filósofo e - ainda mais - atleta completo. Basta dizer que conquistou o título excepcional de vencedor do pentatlo, as cinco provas máximas dos Jogos Olímpicos. A Grécia achava-se, nesse tempo, no período áureo de seu desenvolvimento científico e literário. Era a pátria dos aedos, poetas que declamavam, com acompanhamento musical, nas refeições e nas reuniões dos reis e dos chefes. Não seria prolixidade dizer que, entre os gregos de maior cultura e valor, era o sábio Erastóstenes considerado como o homem extraordinário que atirava o dardo, escrevia poemas, vencia os grandes corredores e resolvia problemas de astronomia. Erastóstenes legou à posteridade várias obras. Ao rei Ptolomeu III, do Egito, apresentou uma tábua de números primos feitos sobre uma prancha metálica, na qual os números múltiplos eram marcados por um pequeno furo. Deu-se, por isso, o nome de “crivo de Erastóstenes” ao processo de que se utilizara o astrônomo grego para formar sua tábua. Em conseqüência de uma oftalmia, adquirida nas margens do Nilo, durante uma viagem, Erastóstenes ficou cego. Ele, que cultivava a astronomia, achava-se impedido de olhar para o céu e de admirar a beleza incomparável do firmamento nas noites estreladas. A luz azulada de Al-Schira (1) jamais poderia vencer aquela nuvem negra que lhe encobria os olhos. Esmagado por tão grande desgraça e não podendo resistir aos desgostos que lhe causava a cegueira, o sábio e atleta suicidou-se, deixando-se morrer de fome, fechado em sua biblioteca!

O sábio historiador dos olhos mortiços voltou-se para o califa e declarou, depois de rápido silêncio:

- Considero-me plenamente satisfeito com a brilhante exposição histórica feita pelo jovem calculista persa. O único geômetra célebre levado ao suicídio foi, realmente, o grego Erastóstenes, poeta, astrônomo e atleta, amigo fraterno do famosíssimo Arquimedes de Siracusa. Iallah! (2)

- Pela beleza de Selsebit (3)! - exclamou o califa com entusiasmo. - Quanta coisa acabo de aprender! Esse grego notável, que estudava os astros, escrevia poemas e cultivava atletismo, merece a nossa sincera admiração. De hoje em diante, sempre que olhar para o céu, em noite estrelada, e avistar a incomparável Al-Schira, pensarei no fim trágico desse sábio geômetra, que foi escrever o poema de sua morte no meio de um tesouro de livros que ele já não podia ler!

E pousando, com extrema cortesia, a sua mão larga sobre o ombro do príncipe, ajuntou, com cativante naturalidade:

- Vamos ver, agora, se o terceiro argüidor conseguirá vencer o nosso calculista!
......................................................

Notas:
1- Sírius. Alfa do Cão Maior. A estrela mais brilhante do céu. A Estrela Polar é denominada Dsjudde.
2- “Deus seja louvado!”

3- A Fonte do Paraíso. Citada no Alcorão. 

Nenhum comentário: