Luz para a inteligência, Calor para a vontade

quinta-feira, 17 de março de 2016

Estudo dos verbos - II



(Continuação da obra "Gramática da Língua Portuguesa",
de Pasquale & Ulisses)



CAPÍTULO 7
ESTUDO DOS VERBOS - II

No capítulo anterior, você estudou os paradigmas dos verbos regulares das três conjugações (-ar, -er, -ir) e o esquema de formação dos tempos simples. É necessário que, a partir de agora, você identifique as formas verbais típicas de cada tempo e modo com segurança; também é fundamental que você domine com desenvoltura todos os mecanismos da relação que existe entre os tempos primitivos e os derivados.

Neste capítulo, vamos observar detalhadamente os principais verbos irregulares, defectivos e abundantes de nossa língua. Esse estudo terá como base o esquema de formação dos tempos simples.

VERBOS IRREGULARES

Você já sabe que os verbos irregulares são aqueles que não seguem os paradigmas das conjugações, ou seja, apresentam variações de forma nos radicais ou nas desinências. Para que o estudo desses verbos se torne mais fácil e prático, tenha sempre em mente o esquema de formação dos tempos simples, pois as irregularidades dos tempos primitivos geralmente se estendem aos tempos derivados correspondentes. Por isso vamos organizar nosso estudo a partir desse esquema de formação dos tempos simples.

VERBOS IRREGULARES APENAS NA CONJUGAÇÃO DO PRESENTE DO INDICATIVO E TEMPOS DERIVADOS

Você encontrará a seguir os principais verbos que apresentam irregularidades no presente do indicativo e, consequentemente, no presente do subjuntivo e no imperativo. Serão conjugados apenas o presente do indicativo e o presente do subjuntivo desses verbos: para obter o imperativo, basta seguir o esquema já conhecido. Colocaremos observações sempre que for necessário chamar a sua atenção para alguma particularidade.

PRIMEIRA CONJUGAÇÃO

recear
Presente do indicativo:
recei-o, receias, receia, receamos, receais, receiam
Presente do subjuntivo:
recei-e, recei-es, recei-e, receemos, receeis, recei-em

incendiar
Presente do indicativo:
incendei-o, incendeias, incendeia, incendiamos, incendiais, incendeiam
Presente do subjuntivo:
incendei-e, incendei-es, incendei-e, incendiemos, incendieis, incendei-em

* Seguem esse modelo os demais verbos terminados em -ear: apear, atear, arrear, bloquear, cear, enlear, folhear, frear, hastear, granjear, lisonjear, passear, semear, titubear, etc.

* Os verbos terminados em -iar são regulares, com exceção de mediar, ansiar, remediar, incendiar, odiar e seus derivados. Um derivado importante de mediar é intermediar.

SEGUNDA CONJUGAÇÃO

ler
Presente do indicativo:
lei-o, lês, lê, lemos, ledes, lêem
Presente do subjuntivo:
lei-a, lei-as, lei-a, lei-amos, lei-ais, lei-am,

* Seguem esse modelo os verbos reler, crer e descrer. O pretérito perfeito do indicativo desses verbos é regular ( li/cri, leste/creste, leu/creu, lemos/cremos, lestes/ crestes, leram/creram)

requerer
Presente do indicativo:
requeir-o, requeres, requer, requeremos, requereis, requerem
Presente do subjuntivo:
requeir-a, requeir-as, requeir-a, requeir-amos, requeir-ais, requeir-am

perder
Presente do indicativo:
perc-o, perdes, perde, perdemos, perdeis, perdem
Presente do subjuntivo:
perc-a, perc-as, perc-a, perc-amos, perc-ais, perc-am

* O pretérito perfeito do indicativo desse verbo é regular (requeri, requereste, requereu, requeremos, requerestes, requereram). Consequentemente o pretérito mais-que-perfeito do indicativo, o imperfeito do subjuntivo e o futuro do subjuntivo também são regulares: eu requerera, se eu requeresse, quando eu requerer.

valer
Presente do indicativo:
valh-o, vales, vale, valemos, valeis, valem
Presente do subjuntivo:
valh-a, valh-as, valh-a, valh-amos, valh-ais, valh-am

* Segue essa conjugação o verbo equivaler

TERCEIRA CONJUGAÇÃO

divertir
Presente do indicativo:
divirt-o, divertes, diverte, divertimos, divertis, divertem
Presente do subjuntivo:
divirt-a,  divirt-as, divirt-a, divirt-amos, divirt-ais, divirt-am

* Atente para a irregularidade desse verbo: a primeira pessoa do singular do presente do indicativo apresenta i em lugar do e do radical do infinitivo. Há muitos outros verbos que apresentam esse mesmo comportamento: aderir, advertir, compelir, competir, conferir, despir, digerir, discernir, divergir, expelir, ferir, inserir, investir, perseguir, preferir, referir, repelir, repetir, seguir, sentir, servir, sugerir, etc.

progredir
Presente do indicativo:
progrid-o, progrides, progride, progredimos, progredis, progridem
Presente do subjuntivo:
progrid-a, progrid-as, progrid-a, progrid-amos, progrid-ais, progrid-am

* A troca do e do infinitivo pelo i só não ocorre na primeira e segunda pessoas do plural. Seguem esse modelo: agredir, denegrir, prevenir, regredir, transgredir, dormir.

pedir
Presente do indicativo:
peç-o, pedes, pede, pedimos, pedis, pedem
Presente do subjuntivo:
peç-a, peç-as, peç-a, peç-amos, peç-ais, peç-am

dormir
Presente do indicativo:
durm-o, dormes, dorme, dormimos, dormis, dormem
Presente do subjuntivo:
durm-a, durm-as, durm-a, durm-amos, durm-ais, durm-am

* Seguem esse modelo: despedir, impedir, medir. Ouvir apresenta conjugação semelhante: ouço, ouves, ouve...; ouça, ouças, ouça....

fugir
Presente do indicativo:
fuj-o, foges, foge, fugimos, fugis, fogem
Presente do subjuntivo:
fuj-a, fuj-as, fuj-a, fuj-amos, fuj-ais, fuj-am

*Segue esse modelo o verbo sortir.

Há alguns verbos que apresentam particularidades na terceira pessoa do singular do presente do indicativo. Como essas particularidades não ocorrem na primeira pessoa do singular, não interferem nos tempos derivados do presente do indicativo. São os verbos terminados em -air (cair; decair, sair, por exemplo), -oer (doer, moer, roer) e -uir (atribuir, contribuir, retribuir). Em todos esses verbos, a terceira pessoa do singular do presente do indicativo apresenta desinência -i e não -e (cai, decai, sai; dói, mói, rói; atribui, contribui, retribui). Isso explica por que muita gente erra a grafia de formas verbais como atribui, possui, mói, substitui, colocando -e no lugar do -i final. Nos verbos terminados em -uzir (conduzir; produzir, reduzir; traduzir), essa mesma pessoa não apresenta a desinência -e (conduz, produz, reduz, traduz).

polir
Presente do indicativo:
pul-o, pules, pule, polimos, polis, pulem
 Presente do subjuntivo:
pul-a, pul-as, pul-a, pul-amos, pul-ais, pul-am

VERBOS IRREGULARES NO PRESENTE E NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E RESPECTIVOS TEMPOS DERIVADOS

Apresentamos a seguir vários verbos que mostram irregularidades tanto no presente do indicativo e tempos derivados, como no pretérito perfeito do indicativo e tempos derivados. Na conjugação de alguns verbos mais problemáticos, aparece também o pretérito imperfeito do indicativo.

PRIMEIRA CONJUGAÇÃO

estar
Presente do indicativo:
estou, estás, está, estamos, estais, estão
Presente do subjuntivo:
esteja, estejas, esteja, estejamos, estejais, estejam
Pretérito perfeito do indicativo:
estive, estive-ste, esteve, estivemos, estivestes, estiveram
Pretérito imperfeito do indicativo:
estava, estavas, estava, estávamos, estáveis, estavam
Pretérito mais-que-perfeito:
estive-ra, estive-ras, estive-ra, estivé-ramos, estivé-reis, estive-ram
Pretérito imperfeito do subjuntivo:
estive-sse, estive-sses, estive-sse, estivé-ssemos, estivé-sseis, estive-ssem
Futuro do subjuntivo:
estive-r, estive-res, estive-r, estive-rmos, estive-rdes, estive-rem

* O presente do subjuntivo não utiliza o radical do presente do indicativo. Isso ocorre com todos os verbos cuja primeira pessoa do singular do presente do indicativo termina em -ei ou em -ou (sei/saiba, dou/dê, hei/haja, vou/vá, sou/seja), além do verbo-querer (quero/queira). A conjugação do imperativo segue o esquema estudado.

* Atente para as formas do presente do subjuntivo: na língua culta, deve-se usar esteja e não "esteje".

dar
Presente do indicativo:
dou, dás, dá, damos, dais, dão
Presente do subjuntivo:
dê, dês, dê, demos, deis, dêem
Pretérito perfeito do indicativo:
dei, de-ste, deu, demos, deste, deram
Pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
de-ra, de-ras, de-ra, dé-ramos, dé-reis, de-ram
Pretérito imperfeito do subjuntivo:
de-sse, de-sses, de-sse, dé-ssemos, dé-sseis, de-ssem
Futuro do subjuntivo:
de-r, de-res, de-r, de-rmos, de-rdes, de-rem

SEGUNDA CONJUGAÇÃO

aprazer
Presente do indicativo:
apraz-o, aprazes, apraz, aprazemos, aprazeis, aprazem
Presente do subjuntivo:
apraz-a, apraz-as, apraz-a, apraz-amos, apraz-ais, apraz-am
Pretérito perfeito do indicativo:
aprouve, aprouve-ste, aprouve, aprouvemos, aprouvestes, aprouveram
Pretérito mais-que-perfeito:
aprouve-ra, aprouve-ras, aprouve-ra, aprouvé-ramos, aprouvé-reis, aprouve-ram
Pretérito imperfeito do subjuntivo:
aprouve-sse, aprouve-sses, aprouve-sse, aprouvé-ssemos, aprouvé-sseis, aprouvessem
Futuro do subjuntivo:
aprouve-r, aprouve-res, aprouver, aprouve-rmos, aprouver-des, aprouve-rem

* A única irregularidade no presente do indicativo desse verbo e dos que a ele se assemelham - prazer, comprazer e desprazer - é a terceira pessoa do singular, que não apresenta a desinência -e.

* Desprazer e prazer seguem o modelo de aprazer em todos os tempos. Acredite: prazer é verbo ("Prouve a Deus que o filho não sofresse") e normalmente é usado apenas na terceira pessoa do singular e na terceira pessoa do plural.

* Comprazer segue o modelo de aprazer. No pretérito perfeito do indicativo e tempos derivados, pode também ser conjugado regularmente; há, portanto, duas formas possíveis para esses tempos: comprouve/comprazi, comprouveste/comprazeste…

caber
presente do indicativo:
caib-o, cabes, cabe, cabemos, cabeis, cabem
presente do subjuntivo:
caib-a, caib-as, caib-a, caib-amos, caib-ais, caib-am
pretérito perfeito do indicativo:
coube, coube-ste, coube, coubemos, coubestes, couberam
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
coube-ra, coube-ras, coube-ra, coubé-ramos, coube-reis, coube-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
coube-sse, coube-sses, coube-sse, coubé-ssemos, coubé-sseis, coube-ssem
futuro do subjuntivo:
coube-r, coube-res, coube-r, coube-rmos, coube-rdes, coube-rem

dizer
presente do indicativo:
dig-o, dizes, diz, dizemos, dizeis, dizem
presente do subjuntivo:
dig-a, dig-as, dig-a, dig-amos, dig-ais, dig-am
pretérito imperfeito do indicativo:
disse, disse-ste, disse, dissemos, dissestes, disseram
pretérito mais que perfeito do indicativo:
disse-ra, disse-ras, disse-ra, dissé-ramos, dissé-reis, disse-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
disse-sse, disse-sses, disse-sse, dissé-ssemos, dissé-sseis, disse-ssem
futuro do subjuntivo:
disse-r, disse- res, disse-r, disse-rmos, disse- rdes, disse-rem

* Seguem esse modelo os derivados: bendizer, condizer, contradizer, desdizer, maldizer, predizer.

* Os futuros do indicativo desse verbo e seus derivados são irregulares, já que perdem a sílaba ze: direi, dirá, contradirei, desdirá são formas do futuro do presente; diria, contradiria, desdiria, bendiríamos são formas do futuro do pretérito.

* O particípio desse verbo e seus derivados é irregular: dito, bendito, contradito...

fazer
presente do indicativo:
faç-o, fazes, faz, fazemos, fazeis,  fazem
presente do subjuntivo: 
faç-a, faç-as, faç-a, faç-amos, faç-ais, faç-am
pretérito perfeito do indicativo:
fiz, fize-ste, fez, fizemos, fizestes, fizeram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
fize-ra, fize-ras, fize-ra, fizé-ramos, fizé-reis, fize-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
fize-sse, fize-sses, fize-sse, fizé-ssemos, fizé-sseis, fizessem
futuro do subjuntivo:
fize-r, fize-res, fize-r, fize-rmos, fize-rdes, fize-rem

* Seguem esse modelo: desfazer, liquefazer, perfazer, rarefazer, satisfazer; refazer.

* Os futuros do indicativo desse verbo e seus derivados são irregulares, já que perdem a sílaba ze: farei, refará, satisfaremos, desfarão - forma do futuro do presente; faria, desfaria, refaríamos, satisfariam - formas do futuro do pretérito.

* O particípio desse verbo e seus derivados é irregular: feito, desfeito, liquefeito, satisfeito.

haver
presente do indicativo:
hei, hás, há, havemos, haveis, hão
presente do subjuntivo: 
haja, hajas, haja, hajamos, hajais, hajam
pretérito perfeito do indicativo: 
houve, houveste, houve, houvemos, houvestes, houveram
pretérito-mais-que-perfeito do indicativo:
houve-ra, houve-ras, houve-ra, houvé-ramos, houvé-reis, houve-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo: 
houve-sse, houve-sses, houve-sse, houvé-ssemos, houvé-sseis, houve-ssem
futuro do subjuntivo:
houve-r, houve-res, houve-r, houve-rmos, houve-rdes, houve-rem

* O presente do subjuntivo não utiliza o radical do presente do indicativo (hei/haja). O imperativo é obtido de acordo com o esquema conhecido.

poder
presente do indicativo:
poss-o, podes, pode, podemos, podeis, podem
presente do subjuntivo:
poss-a, poss-as, poss-a, poss-amos, poss-ais, poss-am
pretérito perfeito do indicativo:
pude, pudeste, pôde, pudemos, pudestes, puderam
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
pude-ra, pude-ras, pudera, pudé-ramos, pudé-reis, pude-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
pude-sse, pude-sses, pude-sse, pudé-ssemos, pudé-sseis, pude-ssem
futuro do subjuntivo:
pude-r, pude-res, pude-r, pude-rmos, pude-rdes, puderem

* A terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo (pôde) recebe acento circunflexo, diferencial de timbre de pode, terceira do singular do presente do indicativo.

pôr
presente do indicativo:
ponh-o, pões, põe, pomos, pondes, põem
presente do subjuntivo:
ponh-a, ponh-as, ponh-a, ponh-amos, ponh-ais, ponh-am
pretérito imperfeito do indicativo:
punha, punhas, punha, púnhamos, púnheis, punham
pretérito perfeito do indicativo:
pus, puse-ste, pôs, pusemos, pusestes, puseram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
puse-ra, puse-ras, puse-ra, pusé-ramos, pusé-reis, puse-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
puse-sse, puse-sses, pusesse, pusé-ssemos, pusé-sseis, pusessem
futuro do subjuntivo:
puse-r, puse-res, puse-r, puser-mos, puse-rdes, puse-rem

* Atente para a diferença entre a terceira pessoa do singular e a terceira pessoa do plural do presente do indicativo (põe / põem).

* Destaque-se a grafia das formas de toda a família: não existe a letra z (pus, pusemos, puseram, puser, pusermos, puserem pusesse, puséssemos, pusesses)

* O fato de o verbo pôr receber acento (diferencial da preposição por) não significa que seus derivados também serão acentuados (depor, propor, impor etc.). Nenhum derivado de pôr é acentuado.

* Preste atenção às formas do futuro do subjuntivo ("Se você puser a carta no correio", e não "Se você pôr a carta no correio").

* Todos os derivados do verbo pôr seguem exatamente esse modelo de conjugação: indispor; interpor; opor; pospor; predispor; pressupor, propor, recompor, repor, sobrepor; supor; transpor são alguns deles ("Se você compuser uma canção", e não "Se você compor uma canção"; "Se eles expuserem os quadros", e não "Se eles exporem os quadros").

* O particípio do verbo pôr e seus derivados é irregular: posto, anteposto, composto, decomposto.

querer
presente do indicativo:
quero, queres, quer, queremos, quereis, querem
presente do subjuntivo:
queira, queiras, queira, queiramos, queirais, queiram
pretérito perfeito do indicativo:
quis, quise-ste, quis, quisemos, quisestes, quiseram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
quise-ra, quise-ras, quise-ra, quisé-ramos, quisé-reis, quise-ram
pretérito perfeito do subjuntivo:
quise-sse, quise-sses, quise-sse, quisé-ssemos, quisé-sseis, quise-ssem
futuro do subjuntivo:
quise-r, quise-res, quise-r, quise-rmos, quise-rdes, quise-rem

* O presente do subjuntivo não utiliza o radical da primeira pessoa do singular do presente do indicativo (quero/queira).

* Atente para a grafia: não existe a letra z em nenhuma forma do verbo querer (quis, quisemos, quiseram, quiser, quisermos, quiserem, quisesse, quiséssemos, quisessem).

* Como já vimos, requerer não segue a conjugação de querer. É irregular na primeira pessoa do singular do presente do indicativo (requeiro) e formas derivadas (requeira, requeiramos, requeiram). É regular no pretérito perfeito do indicativo e formas derivadas (requeri, requereu, requereram; requeresse, requerêssemos, requeressem).

saber
presente do indicativo:
sei, sabes, sabe, sabemos, sabeis, sabem
presente do subjuntivo:
saiba, saibas, saiba, saibamos, saibais, saibam
pretérito perfeito do indicativo:
soube, soube-ste, soube, soubemos, soubestes, souberam
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
soube-ra, soube-ras, soube-ra, soubé-ramos, soubé-reis, soube-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
soube-sse, soube-sses, soube-sse, soubé-ssemos, soubé-sseis, soube-ssem
fuuturo do subjuntivo:
soube-r, soube-res, soube-r, soube-rmos, soube-rdes, soube-rem

* O presente do subjuntivo não apresenta o radical da primeira pessoa do singular do presente do indicativo (sei/saiba).

ser
Presente do indicativo:
sou, és, é, somos, sois, são
Presente do subjuntivo:
seja, sejas, seja, sejamos, sejais, sejam
Pretérito imperfeito do indicativo:
era, eras, era, éramos, éreis, eram
Pretérito perfeito do indicativo:
fui, fo-ste, foi, fomos, fostes, foram
Pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
fo-ra, fo-ras, fo-ra, fô-ramos, fô-reis, fo-ram
Pretérito imperfeito do subjuntivo:
fo-sse, fo-sses, fo-sse, fô-ssemos, fô-sseis, fo-ssem
Futuro do subjuntivo:
fo-r, fo-res, fo-r, fo-rmos, fo-rdes, fo-rem

* O verbo ser é considerado anômalo, por apresentar grandes irregularidades. Atente para os diferentes radicais que existem em sua conjugação (sou/era/fui).

* O presente do subjuntivo não se forma a partir do radical do presente do indicativo (sou/seja). O imperativo do verbo ser é o único que não obedece integralmente ao esquema conhecido. As duas segundas pessoas (tu e vós) do imperativo afirmativo apresentam formas independentes: sê (tu) e sede (vós).

ter
presente do indicativo:
tenh-o, tens, tem, temos, tendes, têm
presente do subjuntivo:
tenh-a, tenh-as, tenh-a, tenh-amos, tenh-ais, tenh-am
pretérito imperfeito do indicativo:
tinha, tinhas, tinha, tínhamos, tínheis, tinham
pretérito perfeito do indicativo:
tive, tive-ste, teve, tivemos, tivestes, tiveram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
tive-ra, tive-ras, tive-ra, tivé-ramos, tivé-reis, tive-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
tive-sse, tive-sses, tive-sse, tivé-ssemos, tivé-sseis, tive-ssem
futuro do subjuntivo:
tive-r, tive-res, tive-r, tive-rmos, tive-rdes, tive-rem

* Seguem esse modelo os derivados (ater, conter, deter, entreter, manter, reter, obter, suster).

* Note a diferença gráfica entre a terceira pessoa do singular e a terceira pessoa do plural do presente do indicativo: ele tem/eles têm. Nos verbos derivados, a diferenciação se faz de outra maneira: ele contém/eles contêm, ele mantém/eles mantêm.

trazer
presente do indicativo:
trag-o, trazes, traz, trazemos, trazeis, trazem
presente do subjuntivo:
trag-a, trag-as, trag-a, trag-amos, trag-ais, trag-am
pretérito perfeito do indicativo:
trouxe, trouxe-ste, trouxe, trouxemos, trouxestes, trouxeram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
trouxe-ra, trouxe-ras, trouxe-ra, trouxé-ramos, trouxé-reis, trouxe-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
trouxe-sse, trouxe-sses, trouxe-sse, trouxé-ssemos, trouxé-sseis, trouxe-ssem
futuro do subjuntivo:
trouxe-r, trouxe-res, touxe-r, trouxe-rmos, trouxe-rdes, trouxe-rem

* Os futuros do indicativo desse verbo são irregulares, já que perdem a sílaba ze: trarei, trarás, trará... (para o futuro do presente); traria, trarias, traria... (para o futuro do pretérito).

ver
Presente do indicativo:
vej-o, vês, vê, vemos, vedes, vêem
presente do subjuntivo:
vej-a, vej-as, vej-a, vej-amos, vej-ais, vej-am
Pretérito perfeito do indicativo:
vi, vi-ste, viu, vimos, vistes, viram
Pretérito imperfeito do indicativo:
 via, vias, via, víamos, víeis, viam
Pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
vi-ra, vi-ras, vi-ra, ví-ramos, ví-reis,  vi-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
vi-sse, vi-sses, vi-sse, ví-ssemos, ví-sseis, vi-ssem
futuro do subjuntivo:
vi-r, vi-res, vi-r, vi-rmos, vi-rdes, vi-rem

* Atente para a forma da terceira pessoa do plural do presente do indicativo: vêem. Não confunda com a forma correspondente do verbo vir: vêm.

* Seguem esse modelo os derivados: antever, entrever, prever, rever.

* O particípio de ver e seus derivados é irregular: visto, previsto, revisto.

* Prover, que significa "abastecer, suprir", segue a conjugação do verbo ver apenas no presente do indicativo e formas derivadas (provejo, provês, provê, provemos, provedes, provêem; proveja, provejas, proveja, provejamos, provejais, provejam). Nos demais tempos, prover é absolutamente regular (provi, proveu, proveram, provera, provesse, provêssemos, provessem, provermos, proverem).

TERCEIRA CONJUGAÇÃO

ir
Presente do indicativo:
vou, vais, vai, vamos, ides, vão
presente do subjuntivo:
vá, vás, vá, vamos, vades, vão
pretérito imperfeito do indicativo:
ia, ias, ia, íamos, íeis, iam
pretérito perfeito do indicativo:
fui, fo-ste, foi, fomos, fostes, foram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
fo-ra, fo-ras, fo-ra, fô-ramos, fô-reis, foram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
fo-sse, fo-sses, fo-sse, fô-ssemos, fô-sseis, fo-ssem
futuro do subjuntivo:
fo-r, fo-res, fo-r, fo-rmos, fo-rdes, fo-rem

* O verbo ir também é considerado anômalo, dadas as acentuadas irregularidades que apresenta. Note a variação dos radicais (vou, ia, fui).

* Atente para a diferença entre a segunda pessoa do plural do presente do indicativo e a segunda pessoa do plural do presente do subjuntivo: ides/vades.

* As formas do pretérito perfeito e tempos derivados dos verbos ir e ser são idênticas: somente pelo contexto em que se encontram é que se pode perceber de qual verbo se trata ('Fui ao cinema e fui maltratado pelo bilheteiro" - a primeira forma fui é do verbo ir; a segunda é do verbo ser. Ponha a frase no futuro para que se evidencie a diferença: 'Irei ao cinema e serei maltratado pelo bilheteiro').

* O verbo ir, além de anômalo, é considerado abundante, já que apresenta duas formas para o mesmo caso (nós vamos ou imos, no presente do indicativo).

vir
Presente do indicativo:
venh-o, vens, vem, vimos, vindes, vêm
presente do subjuntivo:
venh-a, venh-as, venh-a, venh-amos, venh-ais, venh-am
pretérito imperfeito do indicativo:
vinha, vinhas, vinha, vínhamos, vínheis, vinham
pretérito perfeito do indicativo:
vim, vie-ste, veio, viemos, viestes, vieram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo:
vie-ra, vie-ras, vie-ra, vié-ramos, vié-reis, vie-ram
pretérito imperfeito do subjuntivo:
vie-sse, vie-sses, vie-sse, vié-ssemos, vié-sseis, vie-ssem
futuro do subjuntivo: 
vie-r, vie-res, vie-r, vie-rmos, vie-rdes, vie-rem

* Atente para a diferença gráfica entre as terceiras pessoas do presente do indicativo: ele vem/eles vêm. Compare essas formas com as correspondentes do verbo ver (ele vê/eles vêem).

* Seguem esse modelo os verbos advir, convir, desavir-se (desentender-se), intervir, provir, sobrevir. Nesses verbos, a diferenciação gráfica entre as terceiras pessoas do presente do indicativo se faz de outra maneira: ele convém/eles convêm, ele intervém/eles intervêm. Atente nas formas desses verbos no pretérito perfeito e tempos derivados ("Eu intervim na discussão entre os dois"; "O problema só será resolvido se você intervier").

* O particípio de vir e seus derivados é irregular: vindo, convindo, intervindo. Essa família de verbos é a única da língua portuguesa que apresenta particípio e gerúndio iguais ("Vem chegando a madrugada" / "Vem vindo a madrugada"; "Já tinham chegado todos os alunos" / "Já tinham vindo todos os alunos").

3. VERBOS DEFECTIVOS

Chamam-se defectivos os verbos que não possuem conjugação completa, ou seja, deixam de ser flexionados em algumas formas. Em geral, o fator determinante da classificação de um verbo como defectivo é de natureza morfológica ou eufônica.

Se fosse completo, o verbo falir, por exemplo, apresentaria, no presente do indicativo, "eu falo, tu fales, ele fale". Falo é forma do presente do indicativo de falar; fales e fale são do presente do subjuntivo do mesmo verbo falar. Isso implicaria um problema morfológico, ou seja, formas iguais para verbos diferentes.

Convém dizer que esse argumento não se aplica a todos os verbos que apresentam formas iguais. Trazer e tragar, por exemplo, não são defectivos, mas apresentam formas idênticas (trago é primeira pessoa do singular do presente do indicativo dos dois verbos). Ir e ser também apresentam formas idênticas (fui, fora, fosse, for), mas não são defectivos.

Se fosse completo, o verbo computar apresentaria no presente do indicativo formas como "computo, computas, computa" - palavras de sonoridade um tanto quanto 'suspeita'. Por isso o verbo computar é dado nas gramáticas e dicionários como defectivo.

Esses motivos nem sempre conseguem impedir o uso efetivo de formas verbais consideradas oficialmente "erradas". O próprio verbo computar é um exemplo disso. Com o desenvolvimento e a popularização dos computadores, não há quem não diga "computa". Na prática, esse verbo acaba sendo conjugado em todos os tempos, modos e pessoas.

Insistimos em que os preceitos colocados pela gramática normativa nem sempre condizem com o uso cotidiano da língua. Mas, no texto formal escrito, é mais do que recomendável que você procure seguir os padrões da língua culta. Você verá a seguir que o problema dos verbos defectivos ocorre basicamente no presente do indicativo e formas derivadas (presente do subjuntivo e imperativos).

Para estudar os verbos defectivos, convém dividi-los em dois grupos.

PRIMEIRO GRUPO DE VERBOS DEFECTIVOS

Verbos que, no presente do indicativo, deixam de ser conjugados apenas na primeira pessoa do singular. Consequentemente, não apresentam presente do subjuntivo e imperativo negativo. O imperativo afirmativo se limita às pessoas diretamente provenientes do presente do indicativo (tu e vós). É o caso de abolir, aturdir, banir, carpir, colorir, delinqüir, demolir, exaurir, explodir, extorquir, retorquir, entre outros.

abolir
Presente do indicativo:
tu aboles
ele abole
nós abolimos
vós abolis eles abolem
Imperativo afirmativo:
- abole tu -
- aboli vós -

SEGUNDO GRUPO DE VERBOS DEFECTIVOS

Verbos que, no presente do indicativo, são conjugados apenas na primeira e na segunda pessoas do plural (nós e vós). Quando você procura um verbo deste grupo no dicionário, costuma encontrar explicações técnicas como "no presente do indicativo, só é conjugado nas formas arrizotônicas". Você já sabe que forma arrizotônica é aquela em que a tonicidade está fora do radical, como em falamos. A tonicidade está no -a-, fora do radical (fal-).

Os verbos deste grupo não possuem presente do subjuntivo e imperativo negativo. O imperativo afirmativo se limita à forma diretamente retirada do presente do indicativo. É o caso de adequar, aguerrir, combalir, comedir-se, falir, fornir, foragir-se, precaver, reaver, remir.

falir
presente do indicativo:
nós falimos
vós falis
imperativo afirmativo:
fali vós

adequar
presente do indicativo:
nós adequamos
vós adequais
imperativo afirmativo:
adequai vós

precaver
presente do indicativo:
nós precavemos
vós precaveis
imperativo afirmativo:
precavei vós

* Precaver não deriva de ver, nem de vir. Não existem as formas "precavejo, precavo, precavenho". No pretérito perfeito do indicativo e tempos derivados, comporta-se como verbo regular: precavi, precaveste, precaveu...

* Alguns autores admitem a conjugação do verbo adequar nas formas arrizotônicas do presente do subjuntivo (adeqüemos, adeqüeis), o que permitiria também a conjugação dessas mesmas formas do imperativo negativo e da primeira do plural do imperativo afirmativo.

reaver
Presente do indicativo:
nós reavemos
vós reaveis
Imperativo afirmativo:
reavei vós

* Na prática, pode-se dizer que reaver é conjugado como haver, mas só existe nas formas em que o verbo haver apresenta a letra v. Observe com atenção o pretérito perfeito do indicativo: reouve, reouveste, reouve, reouvemos, reouvestes, reouveram.

* Convém repetir que os verbos defectivos são conjugados normalmente nos pretéritos e futuros. São mais do que corretas as formas como aboli, adeqüei, explodi, fali, precavi, demoli, aboliu, adequou, explodiu, faliu, precaveu, demoliu.

* Para suprir uma forma dada como inexistente costuma-se recorrer a verbos sinônimos ou a expressões equivalentes. Em vez de dizer - eu me precavo/precavenho/precavejo - diga - eu me acautelo/previno; em vez de a empresa fale, diga - a empresa vai à falência/vai falir; em vez de - o texto se adequa, diga - o texto se adapta/ é adequado.

* São considerados verbos defectivos também os verbos  impessoais e os unipessoais, conjugados apenas de algumas formas por questão de significado. Não faz sentido, por exemplo, dizer "Eu chovo", ou "Ela alvoreceu". Chover e alvorecer, como todos os verbos que indicam fenômenos naturais, são impessoais e, por isso não têm sujeito, e são conjugados apenas na terceira pessoa do singular. Também são impessoais amanhecer, anoitecer, chuviscar, estiar, gear, orvalhar, relampejar, trovejar e ventar. Os unipessoais exprimem vozes de animais e são geralmente conjugados na terceira pessoa do singular e na terceira pessoa do plural: "O cão latia insistentemente", "os cavalos relinchavam assustados". Observe que também não faz sentido dizer" eu relincho" ou "tu latiste". Os outros verbos unipessoais exprimem acontecimento, necessidade: acontecer, convir, ocorrer, suceder. É possível empregar os verbos impessoais  ou unipessoais em sentido figurado. É o que acontece com "Quando esse dia chegar, os brasileiros amanhecerão para um novo tempo" ou "choveram faltas violentas durante o jogo".

4. VERBOS ABUNDANTES

Verbos abundantes são aqueles que apresentam mais de uma forma para determinada flexão. Esse fenômeno costuma ocorrer no particípio, em que, além das formas regulares, terminadas em -ado ou -ido, surgem as formas irregulares, também chamadas curtas ou breves. Observe a relação abaixo:

primeira conjugação:
Infinitivo impessoal, particípio regular, e particípio irregular
aceitar                      aceitado                   aceito
entregar          entregado       entregue
enxugar          enxugado       enxuto
expressar          expressado       expresso
expulsar          expulsado       expulso
findar                      findado                   findo
isentar                      isentado                   isento
limpar                      limpado                   limpo
matar                      matado                   morto
salvar                      salvado                   salvo
segurar                      segurado       seguro
soltar                      soltado                   solto

segunda conjugação:
no infinitivo impessoal, no particípio regular e no particípio irregular.
acender                acendido                     aceso
benzer                            benzido                     bento
eleger                            elegido                     eleito
morrer                            morrido                     morto
prender                 prendido                     preso
suspender                 suspendido                     suspenso

terceira conjugação:
no infinito pessoal, no particípio regular e no particípio irregular
emergir         emergido             emerso
expelir                      expelido                          expulso
exprimir          exprimido              expresso
extinguir          extinguido              extinto
imergir               imergido              imerso
imprimir          imprimido              impresso
inserir                      inserido               inserto
omitir                      omitido                          omisso
submergir          submergido              submerso

* Os particípios regulares são empregados normalmente com os auxiliares ter e haver; os particípios irregulares são normalmente empregados com os auxiliares ser, estar: ser/haver elegido - ser/estar eleito
ter/haver imprimido - ser/estar impresso

* Ganhar, gastar e pagar são abundantes:
ganhado/ganho;
gastado/gasto;
pagado/ pago são seus particípios. As formas irregulares podem ser usadas com os auxiliares ser, estar, ter e haver; as formas regulares, somente com ter e haver: ter/haver/ser/estar/ganho/gasto/pago,
ter/haver ganhado/gasto/pagado.

* pegar e chegar, na língua culta, apresentam apenas o particípio regular: pegado e chegado.

* Abrir (e derivados), cobrir (e derivados), escrever (e derivados), apresentam particípios irregulares, aberto, reaberto, entreaberto; coberto, recoberto; encoberto; descoberto; escrito; reescrito; subscrito.

5. AS PARTICULARIDADES DA CONJUGAÇÃO DOS VERBOS E OS DICIONÁRIOS

Você estudou neste capítulo os principais verbos irregulares, defectivos e abundantes. Você deve ter notado que vários desses verbos são de uso muito freqüente - como pôr, ver, vir, ser, haver, estar. Nesses casos, é necessário que você esteja apto a usá-los com segurança a fim de não desrespeitar o padrão culto da língua.

Você estudou também verbos de uso mais limitado - como cerzir, carpir, remir. Nesses casos, é bastante provável que, mesmo depois de tê-los visto em nosso livro, você tenha alguma dúvida quando precisar empregá-los. Eles estão aqui justamente para constituir um arquivo que você possa consultar a fim de esclarecer suas incertezas.

É pouco provável que um dia você precise usar um verbo como moscar, normalmente pronominal (moscar-se). Mas, se realmente for necessário, consulte um dicionário. Reproduzimos, a seguir, o verbete moscar do dicionário de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. Além do significado do verbo, você encontra valiosas informações sobre sua conjugação:
moscar. V. int. e p. 1. Fugir das moscas, como o gado. 2. Fig. Desaparecer, sumir-se, safar-se: "nada mais tenho que fazer aqui! Musco-me! Ponho-me ao fresco!" (Aluísio Azevedo, O mulato, p. 246). (irreg. O o da raiz muda-se em u nas formas rizotônicas. Além disso, o c transforma-se em qo antes de e (v. trancar). Pres. ind.: musco, moscas, musca, moscamos, moscais, muscam; imperat.: mosca, moscai, etc.; pres. sub.): musque, musques, musque, mosquemos, mosqueis, musquem.)

Nenhum comentário: