Luz para a inteligência, Calor para a vontade

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Rasgue as ondas (mas cuidado com Poseidon)

Rasgue as ondas!

Antes de entrar na água… 
“Começar a praticar bodyboard requer, primeiro que tudo, saber nadar, saber estar no mar e conseguir apreciá-lo. Ter uma prancha e barbatanas é mais do que suficiente para se divertir e ter a sensação de apanhar uma onda”, explica Pierre Louis Costes, atual campeão mundial de bodyboard e vencedor da quinta edição do Sumol Nazaré Special Edition. 
Apesar de ser uma modalidade praticada dentro de água, o bodyboard começa na areia e uma das etapas mais importantes é o aquecimento do corpo bem como uma prévia preparação do material. Colocar na prancha wax, ou parafina, permite uma maior aderência e existem duas zonas que não deve descurar: nas extremidades (onde coloca as mãos) e no centro, para o corpo não escorregar. Depois destas duas etapas, está na altura de colocar os pés-de-pato (barbatanas próprias para o bodyboard) e entrar na água… mas com cuidado!

Dicas que fazem a diferença
O objetivo principal é passar a rebentação e esperar pela onda certa, mas para isso é essencial dominar a arte do duck diving. Esta técnica consiste em passar por baixo da onda quando está prestes a rebentar (ou já rebentou) à sua frente e, para isso, terá que fazer força nos seus braços na parte da frente da prancha (nose) e colocar pressão com os joelhos na parte de trás (tail) para “afundar” a prancha o mais possível e conseguir passar por baixo da onda sem ser enrolado na rebentação. 
Um conselho importante para quem está a começar “é entrar no mar com o mínimo de crowd (surfistas na mesma área) para que consiga apanhar as ondas mais facilmente e, de preferência, muitas delas, pois esta é a melhor parte: a diversão”, afirma Pierre Louis Costes. Assim que chegar ao outside (do outro lado da rebentação) só tem de esperar pelo set (conjunto de ondas), escolher a melhor para si e “fazer o drop, que é a primeira ação que se faz ao apanhar a onda. Quanto mais pesada e maior é a onda, mais difícil é o drop, portanto a melhor dica para um principiante é treinar bastante em ondas mais pequenas antes de se aventurar num mar maior, pois pode tornar-se bastante doloroso”, aconselha o campeão mundial.

Arte VS Mar
Na teoria, o bodyboard consiste em dropar as ondas deitado na prancha. Na prática, pode fazer isto e muito mais, estando deitado de joelhos ou mesmo a voar se a onda (e a sua coragem) o permitirem! Eis algumas das manobras mais espetaculares:

DROP-KNEE - Quando sentir que já entrou na onda, coloque uma das pernas fletida na parte de trás da prancha e o outro pé de pato junto ao nose.
CUTBACK – Assim que descer a onda, aproveite a velocidade para dar a volta e subir novamente em direção à espuma. Quanto mais água “atirar” para fora da onda, mais espetacular é a manobra.
360° - Quando atingir uma boa velocidade, coloque todo o corpo em cima da prancha sem tocar na água. Encolha as pernas e, ao mesmo tempo, gire a cabeça e a prancha para um dos lados num movimento explosivo. Assim que fizer um 360º trave o movimento voltando a colocar as barbatanas dentro de água.
EL ROLLO - Esta manobra consiste em rodar juntamente a onda, como se fizesse parte dela. Assim que descer, volte a subir em direção ao lip (crista) da onda de maneira a que a parte de baixo da sua prancha acompanhe o enrolar da onda, executando um rolo.

ARS (Aerial Roll Spin) - Este movimento combina um El Rollo e um 360º numa única manobra em projeção aérea. Para tal, siga o mesmo movimento do El Rollo e, no topo desta manobra, faça uma projeção aérea para a frente para executar um 360º, dentro ou fora da onda.

Fonte: http://www.menshealth.com.pt/fitness/desporto/artigo/bodyboar

Nenhum comentário: