Luz para a inteligência, Calor para a vontade

terça-feira, 24 de maio de 2016

O fortalecimento do indivíduo pelas novas tecnologias

- Artigo de Fabio Blanco


Não é possível fechar os olhos para um fenômeno que vem ocorrendo no mundo inteiro, que é o abalo que têm sofrido as tiranias em vários lugares do globo. Por mais que elas ainda existam e onde estão sigam com suas maldades, não se pode negar que tem sido muito difícil para elas manter-se em seu hermetismo característico, agindo como se o restante do planeta ignorasse o que acontece em seus territórios. 

E o que tem mais contribuído para que isso aconteça é, sem dúvida, a existência de meios tecnológicos que dão ao indivíduo um poder jamais imaginado, nem pelos maiores visionários de qualquer época. Hoje, qualquer pessoa tem acesso fácil a infinitos dados, tornando um computador caseiro uma fonte muito mais ampla de informações que as mais extensas enciclopédias. 

 Além disso, um telefone celular se tornou muito mais que um aparelho para falar com outras pessoas, mas um instrumento de captação de áudio e imagem, tornando possível que praticamente todos os mais importantes fatos que ocorrem no mundo inteiro sejam registrados, por vários ângulos. 

 O avanço da tecnologia tem propiciado uma verdadeira descentralização de poder, dando a cada pessoa a possibilidade de fazer coisas que, antigamente, apenas os meios mais influentes conseguiam. Se antes os grandes fatos eram apenas registrados pelas grandes mídias, hoje qualquer criança, com seu celular, pode captar o que ocorre. Se antes existiam pouquíssimos grupos que conseguiam se comunicar com a multidão, qualquer youtuber hoje tem a possibilidade de angariar milhões de espectadores como audiência. Se antes apenas a pouquíssimas pessoas era concedido o direito de opinar, hoje, qualquer jovem tem a possibilidade de falar sobre o que quiser e ter, ainda assim, milhares, senão milhões, de ouvintes e leitores. 

 Há não muitos anos, toda a informação era filtrada por umas poucas empresas de comunicação e eram elas que determinavam o que deveria ser noticiado e o que deveria ser desprezado. A tal espiral do silêncio era possível, pois o que não tinha veiculação nos jornais era como se não existisse. Com a disseminação do acesso à internet e a invenção das redes sociais, porém, tornou-se muito difícil esconder os fatos. Nada mais fica na obscuridade, pois não há mais filtros. Quase tudo o que acontece é testemunhado, registrado e compartilhado. É impossível agora fingir que algo não está ocorrendo, quando está. 

 Se essa universalização do acesso e criação de conteúdo, por um lado, aumenta as possibilidades das tentativas de criações de narrativas mentirosas e disseminação de boatos, por outro lado, dificulta muito a manutenção da mentira e da fraude. Cada vez se torna mais improvável que os trotskis sejam retirados das fotos impunemente. 

 Não quero dizer que a internet não tenha seus problemas e até mesmo não possa ser usada por tiranos em seu favor. É óbvio que com tudo isso, há diversos problemas concomitantes que surgem. Uma coisa, porém, é certa: aquilo que sempre foi a maior arma dos ditadores, a saber, o isolamento das pessoas e a manipulação dos fatos, tornou-se quase impossível neste mundo altamente tecnológico. Cada pessoa hoje é um potencial repórter freelancer, que alcança espaço para falar e expor aquilo que captou e pensa. 

 O que, de fato, o livre mercado fez, por meio das tecnologias, foi dar voz e força ao indivíduo e onde o indivíduo é fortalecido a tirania certamente enfraquece.


Nenhum comentário: